10 coisas que não te contam sobre o RC Profissional Advogado

Esse post é especialmente destinado a você que trabalha ou pretende trabalhar com o seguro de Responsabilidade Civil Profissional Advogados e Escritórios de Advocacia.

Depois de presenciar vários sinistros negados, preparei uma aula para explicar 10 pontos importantíssimos que ninguém te conta sobre esse seguro:

  1. Perda de uma chance: esse é um dos principais riscos dos advogados e por incrível que pareça algumas seguradoras excluem
  2. Dano moral: algumas seguradoras estipulam alguns requisitos para o segurado ter direito a cobertura de dano moral. Isso pode ser uma surpresa bem desagradável na hora do sinistro
  3. Sócios: os casos mais complexos são acompanhados e trabalhados pelos sócios do escritório, e aqui mais uma pegadinha: algumas seguradoras não incluem os sócios como segurados na apólice do escritório
  4. Estagiários: você sabia que as falhas de estagiários não estão cobertas na apólice do escritório? São raros os produtos que cobrem esse tipo de erro
  5. Advogado correspondente: muitos escritórios contratam advogados em outros estados para realizarem tarefas pontuais. As falhas deles estariam cobertas na apólice? Eles são segurados no seguro do escritório?
  6. Advogados associados: nos escritórios não é comum os advogados serem empregados. Eles são associados ou sócios. E nem todos os produtos utilizam a linguagem correta o que pode causar uma negativa de cobertura no momento do sinistro
  7. Processos pendentes: quando o segurado contrata a primeira apólice ele já estava trabalhando em vários processos de clientes. Se houver algum erro nesses processos haverá cobertura na apólice?
  8. Fatos conhecidos: o que caracteriza um fato conhecido na falha profissional de advogado? Como funciona a regulação de sinistro? Tudo que você precisa saber para utilizar a apólice do jeito correto
  9. Custos de defesa: se o próprio segurado se defender em uma reclamação, ele terá reembolso dos seus honorários pela seguradora?
  10. Exclusões: é necessário ficar atento às atividades do advogado porque algumas delas podem ser riscos excluídos em alguns produtos. Isso será fundamental na decisão de qual seguradora contratar para proteger seu cliente



Clique aqui para contratar o Venda Seguro e acessar imediatamente essa e outras 200 aulas sobre os seguros de responsabilidade

Quem pode ser responsabilizado pelo acidente com a piscina?

Nesse final de semana muitas pessoas viram o inacreditável vídeo em que uma piscina simplesmente “desaparece” nas filmagens da câmera de segurança de um prédio e em um segundo vídeo é possível ver toda estrutura desmoronando sobre o estacionamento no subsolo do condomínio.

Esse evento não é algo comum, esperado e que pode acontecer a qualquer momento nos condomínios que possuem piscina. Por isso a pergunta: por que a piscina desmoronou e quem seria o responsável por esse acidente? A responsabilidade é do condomínio? Seria da construtora já que a obra foi entregue em 2018? Ou ainda seria possível responsabilizar engenheiros e arquitetos envolvidos no projeto e construção do empreedimento?

Assista ao vídeo abaixo e veja quem pode ser responsabilizado e quais seriam os seguros adequados para mitigar esse risco.

Top 5 motivos de negativas de sinistro D&O

A expectativa de todos os segurados ao contratar uma apólice de seguros é receber a indenização no momento do sinistro. Mas nem sempre esse é o resultado no caso prático.

É importante entender o motivo da negativa e se ela poderia ter sido evitada.

Basicamente um sinistro é negado por dois motivos: porque o evento reclamado não é uma situação coberta na apólice ou porque o segurado não cumpriu com alguma regra do contrato (da apólice).

E a maioria delas poderia ser evitada. Seja explicando melhor e alinhando a expectativa de cobertura ao risco que está sendo segurado com aquela apólice, seja orientando devidamente o segurado sobre as regras que ele deve obedecer para ter seu sinistro indenizado.

No seguro D&O acontence exatamente a mesma coisa. Por isso, falarei sobre os 5 motivos que mais geram negativas de sinistros:

1 – Evento ocorrido fora da continuidade / retroatividade da apólice

2 – Sinistro avisado fora do prazo

3 – Reclamações de sócios

4 – Corrupção

5 – Expectativas que não foram registradas

Para entender melhor o que é cada uma dessas causas e como evitá-las, clique aqui para fazer parte agora do Venda Seguro e ter acesso a essa e outras 100 aulas de D&O

D&O – Gestores são processados pelas próprias empresas por assédio

Recentemente o jornal Valo Econômico publicou uma matéria que impacta muito no riscos dos administradores e gerentes de empresas. As empresas estão processando os gestores para serem ressarcidas dos valores pagos a vítimas de assédio moral.

Quando um empregado é vítima de assédio ele processa a empresa na maioria dos casos – os empregadores. E como você deve imaginar elas são frequentemente condenadas. Sempre foi assim que aconteceu, mas agora as empresas não estão encerrando a história no pagamento da indenização. Elas estão processando os gestores – os autores do assédio moral – e estão tendo êxito nas ações.

Isto é, os administradores estão sendo condenados a pagar os prejuízos que a empresa teve com os casos de assédio. Existem quase 7 mil processos em trâmite no Brasil com esse tipo de pedido e os valores somados atingem R$ 826 milhões.

Obviamente se foi o gestor que assediou moralmente o funcionário a empresa tem todo direito de ser ressarcida dos valores pagos.

Mas o fato é: justa ou não, essa ação de regresso aumenta consideravelmente o risco dos gestores terem um prejuízo patrimonial em virtude de um ato de gestão.

E esse é mais um motivo para contar com a proteção do seguro D&O.

A maioria das apólices ampara reclamações de assédio moral contra os gestores e em muitas delas a empresa (tomadora) pode ser um terceiro, ou seja, há cobertura para ações ajuizadas pela própria tomadora que contratou o seguro D&O contra os seus gestores.

Mas grande parte dos gestores no país não conhece os próprios riscos, tampouco sabe que poderia mitigá-los contratando um seguro. Por isso o papel do corretor consultor de riscos é fundamental.

Os administradores de empresas pequenas e médias também possuem risco e têm ainda maior vulnerabilidade porque não possuem “gordura” no patrimônio pessoal. Qualquer condenação pode causar um grande “estrago” nas economias da família do gestor.

Para saber quais são os riscos e os argumentos certos para vender seguro D&O para gestores desse perfil, acesse vendaseguro.com

Será que os administradores da CVC poderão usar o seguro D&O?

Recentemente saiu no Valor Econômico que será votado em assembleia o ingresso de arbitragem contra os administradores da CVC.

Em auditoria realizada foi verificada a existência de alguns erros contábeis que aumentaram o faturamento da Companhia, e isso causou o pagamento de bônus superiores aos que deveriam ter sido pagos.

Uma das reclamações seria justamente essa: a devolução de bônus. E por se tratar de uma reclamação contra os administradores pensamos no seguro D&O. Mas isso estaria amparado na apólice?

Não. Todas as condições gerais excluem reclamações decorrentes de pagamento de bônus. A eventual devolução desses valores, bem como os custos de defesa estão excluídos de cobertura na apólice. Então os administradores nãos poderão usar o seguro D&O caso ocorra essa arbitragem?

A reclamação não se refere apenas aos bônus. Há prejuízos relacionados a impostos pagos equivocadamente, multa aplicada pela CVM e o custo da investigação. Isto é, se não houver nenhuma exclusão específica na apólice, essa parte da reclamação estará coberta no seguro. Tanto para os custos de defesa quanto para a eventual indenização.

O seguro D&O não é um produto simples, requer especialização. Atenção a todas as cláusulas do contrato é fundamental. Um detalhe pode custar a cobertura.

Portanto estude, especialize-se, comece agora https://vendaseguro.com/deo/

Obstetra é condenado injustamente por homicídio

O obstetra estava acompanhando o pré-natal da paciente e na última consulta, mesmo com o líquido amniótico “baixo” decidiu liberar a paciente porque entendeu que as condições para o feto e para a gestante estavam dentro da normalidade esperada.

Alguns dias depois a paciente entrou em trabalho de parto e a criança nasceu. No entanto ela apresentou quadro clínico de grave asfixa, foi transferida para a UTI mas não resisitiu e veio a óbito.

O médico foi processado criminalmente sob a acusação de imperícia, pois a demora na realização do parto teria causado a morte do bebê. Ele foi condenado por homicídio culposo a 1 ano e 4 meses de detenção. Inconformado, recorreu da sentença do juiz.

Na sua defesa, informou que as condições do exame pré natal estavam adequadas e que não havia nenhum problema com o bebê ou com a mãe. E que na ação não ficou comprovada que a realização do parto alguns dias após a consulta teria causado a morte do bebê.

No recurso todos os desembargadores constataram que não havia provas de erro, ou seja, o médico não foi imperito, e ele foi absolvido.

Para provar que não errou, o médico teve de contratar um bom advogado e pagar todos os custos para realizar sua defesa.

Obstetra é uma das especialidades mais processadas, por isso é fundamental que os médicos dessa área tenham um seguro RC Profissional.

Falando nisso, na próxima terça-feira ensinarei: Como vender RCP para Obstetras. Eles precisam dessa proteção. A aula é gratuita, basta clicar aqui para se inscrever e participar ao vivo.