Mulher descobre erro médico em revista íntima

A mulher se submeteu a uma cesárea na Santa Casa. No pós-operatório ela reclamou de dores e dificuldade na cicatrização da cirurgia.

O médico informou que era normal e que estava tudo acontecendo conforme o esperado. Meses após o parto, ela foi visitar o marido na penitenciária para ele conhecer o filho e ao passar pelo detector de metais foi surpreendida com a confirmação de um objeto metálico no seu corpo.

Teve de passar pelo constrangimento da revista íntima e nada foi encontrado. As agentes penitenciárias notaram que o objeto metálico estava na barriga, próximo a cicatriz da cesárea, por isso deixaram ela realizar a visita.

Após essa situação, ela procurou a Santa Casa novamente e no hospital foi confirmada a existência de objeto metálico e a necessidade de realizar um novo procedimento cirúrgico para retirada.

Ela processou o médico e a Santa Casa e ambos foram condenados a indenizar pelos danos morais causados.

Essa situação poderia estar amparada em um seguro de Responsabilidade Civil Profissional. Essa apólice deve ser contratada por todos os hospitais, clínicas e médicos.

Clique aqui para receber gratuitamente o passo a passo para vender o seguro de Responsabilidade Civil Profissional.

Médico é processado por retirada de baço em cirurgia de redução de estômago

A paciente procurou o médico e, em análise ao quadro clínico dela foi indicada a cirurgia de redução de estômago.

Durante o procedimento cirúrgico houve uma lesão no baço com intenso sangramento, sendo necessário a remoção do baço da paciente para conter a hemorragia.

A paciente processou o médico alegando a ocorrência de falha profissional no procedimento cirúrgico realizado. Na perícia judicial foi apontado que o excesso de gordura e a aderência são riscos desse tipo da cirurgia de redução de estômago. E que o médico seguiu todo protocolo esperado, portanto não houve falha profissional.

A ação foi julgada improcedente. A paciente recorreu e o tribunal manteve o entendimento que não houve erro médico.

Observe que nesse caso o médico não errou e mesmo assim ele teve de contratar advogado e pagar custas judiciais para provar que não houve falha profissional

Por isso é fundamental contratar uma apólice de Responsabilidade Civil Profissional

Com o seguro ele também terá o reembolso de todos os gastos judiciais que teve para realizar a sua defesa e caso seja condenado, esse valor também será indenizado pela seguradora.

Cirurgião plástico é condenado por obrigação de resultado

A paciente procurou o médico para colocar implante de próteses de silicone nos seios. Após realizar o procedimento cirúrgico ela contraiu infecção e teve de realizar outras 5 cirurgias. Processou o médico alegando  falha na prestação de serviços, cobrando os danos materiais (gastos com os outros procedimentos cirúrgicos e medicamentos) e morais sofridos.

O médico se defendeu dizendo que a paciente contraiu  infecção e rejeitou a prótese e que não houve falha. Foram condições da própria paciente que causaram os danos e por ser médico, sua obrigação é de meio, portanto não há como garantir o resultado.

Os desembargadores entenderam que apesar do médico ter obrigação de meio (empregar os melhroes esforços, mas sem ter obrigação com o resultado), os profissionais que realizam cirurgias estéticas possuim o dever com o resultado. E tem de indenizar quando o paciente não alcança o resultado esperado.

Ele foi condenado em R$ 20mil de danos morais, R$13 mil de danos materiais (corporais), além dos honorários de sucumbência e os valores para sua própria defesa e custas judiciais. 

Esse caso comprova que o médico ao realizar um procedimento estético, assume o risco de indenizar ainda que não tenha cometido erro afinal sua obrigação é de resultado. Por isso é fundamental contratar um seguro de RC Profissional médico.

Fonte: TJ SP

Curso online de Seguro responsabilidade civil profissional para Médico

No Brasil há mais de 500 mil médicos. É um dos países com o maior número de profissionais. E todos eles precisam de um seguro de responsabilidade civil profissional. Isso porque o número de ações judiciais contra eles só cresce, pois as pessoas têm mais acesso a informação e quando se sentem inconformadas com o resultado do tratamento ou com a morte de uma familiar processam o médico.

Além do médico precisar da sua ajuda. Trabalhar com esse seguro é uma excelente oportunidade de negócio. A média das comissões é R$ 1.000,00, ou seja, a cada apólice que você vender, receberá R$ 1.000,00 por ano de comissão.

“E agora você deve estar se perguntando, como eu consigo vender? Esse seguro é complexo é difícil, não sei nada sobre essa área.”

Fique tranquilo, o curso online tem uma didática exclusiva: o método Venda Seguro. Com ele você será capaz de vender a partir do primeiro dia de estudo, porque o método é dividido em passos.

O primeiro passo te dará todos os argumentos e segurança necessários para fazer uma excelente abordagem sobre o seguro.

Não tem segredo. É só seguir o passo a passo, usar o modelo de apresentação, de proposta e assistir às aulas indicadas que VOCÊ VAI VENDER.

Falo isso com toda certeza porque esse é o resultado dos mais de 300 corretores membros do Venda Seguro.

Comece agora no Venda Seguro e já tenha resultado nas visitas. Só depende de você!

E&O – Você sabe contratar a extensão da PJ no seguro de RC Profissional Médico?

A maioria dos médicos possuem um CNPJ para emitir Nota Fiscal dos seus serviços médicos. Ter uma pessoa jurídica independe de atuarem sozinhos ou em conjunto (em sociedade) com colegas.

Isso significa que eles podem ser processados na Pessoa Física, em seu próprio nome, ou o paciente pode utilizar os dados da Nota Fiscal e processar o CNPJ. E agora eu te pergunto: ambas as situações estariam cobertas na apólice do médico?

Muitos imaginam que sim, afinal o ato questionado foi praticado pelo médico segurado. Entretanto não é essa a regra da apólice.

Algumas seguradoras oferecem a possibilidade de contratar uma extensão para o CNPJ de “propriedade” do médico. Todavia em algumas essa extensão nem sempre é válida. Ela poderá ser contratada somente quando o médico for empresário individual, ou seja, se houver sociedade com outro médico, o “CNPJ estará desprotegido”.

Por isso é muito importante você entender o risco e as necessidades do médico para então verificar nas condições gerais qual seguradora oferece a melhor proteção para ele.

Para facilitar essa consulta, fiz uma tabela comparando as condições das coberturas de extensão de pessoa jurídica de cada seguradora para que você não perca horas procurando essa informação. Veja como ela deixa a consulta prática:

Imagem ilustrativa de uma das páginas da tabela comparativa