7 erros no D&O

O seguro D&O não é um produto “popular”, tampouco um seguro tradicional, costumeiramente contratado pela maioria das empresas em benefício dos seus gestores. Justamente por isso, a maioria das pessoas sabem pouco sobre alguns conceitos e se sentem inseguranças quando são muito questionadas pelos pontenciais clientes.

Sem contar as impressões de fato equivocadas sobre as garantias da apólice que são proferidas como se fossem coberturas. Você sabia, por exemplo, que reclamações trabalhistas não estão amparadas na maioria das apólices?

Que um admnistrador que não mais ocupa o cargo pode ser segurado?

A penhora online não paga o valor do bloqueio?

Faça parte do Venda Seguro e descubra como vender, como contratar e como dar o suporte certo para o seu segurado no momento do sinistro

7 erros no seguro de responsabilidade

Sabe qual a diferença entre RC Prestação de Serviços em Locais de Terceiros e Operações?

Acha que todos os acidentes de trabalho estão cobertos no RC Empregador?

Verifica se todas as suas apólices têm cobertura de lucros cessantes e danos morais?

Quer entender melhor tudo isso? Entre agora e conheça o método Venda Seguro. Os argumentos que farão seu cliente querer contratar o seguro e tudo que você precisa saber sobre as coberturas certas para cada perfil de risco.

Como vender seguro de responsabilidade

Como vender RC Profissional para Farmácias

No Brasil há aproximadamente 90mil farmácias e nem 5% delas contratam seguro de Responsabilidade Civil Profissional. Elas sequer conhecem o próprio risco, por isso é fundamental orientá-las sobre o aumento da exposição e a importância de contratar um seguro para se protegerem.

Para saber quais são os riscos e saber o passo a passo para vender esse seguro, acesse

Os diretores podem ser responsabilizados pela polêmica de trainees do Magazine Luiza?

Entenda como funciona a cobertura de prática trabalhista indevida e sua aplicação no seguro D&O por meio da análise de um caso real.

A defensoria pública da união entrou com uma ação judicial contra a empresa Magazine Luiza alegando discriminação pois a empresa havia exigido que os trainees de um processo seletivo fossem negros. O seguro para essa situação se chama Prática Trabalhista Indevida – EPL. Pouquíssimas seguradoras trabalham com esse produto que proporciona a indenização à empresa caso ela seja condenada por conta de prática discriminatória na contratação, assédio moral, danos morais no ambiente de trabalho, discriminação por orientação sexual, religião, raça, sexo e etc. 

O seguro ampara a empresa e indeniza as pessoas que foram vítimas dessas prática. E por mais que a empresa possa ter uma boa política de conduta, algum diretor, coordenador ou gestor pode fazer isso, infringindo as vezes até o código de ética.

Nesse caso não teria nenhum gestor no polo passivo da ação e nenhum gestor está sendo processado pois a ação é exclusivamente contra a empresa – se fosse contra um diretor da empresa ele estaria coberto na apólice de D&O e justamente para o que serve a cobertura. Na apólice de D&O a empresa não está coberta, ela teria que ter uma apólice específica de prática trabalhista indevida, mas se fosse contra os administradores, gestores também estaria coberto. 

E também cobre a defesa em caso de alegação de assédio sexual. Se alguém alegar que sofreu o assédio por algum superior, diretor ou gestor, ele vai poder contratar advogado e ter reembolso pela apólice para se defender. Entretanto, se ele for condenado na modalidade dolosa, ele terá que devolver os valores adiantados pela seguradora, mas se for condenado a uma indenização civil, não teria que devolver nada pois estaria coberto na apólice.

Aproveitando o assunto de prática trabalhista indevida, quero explicar que pratica trabalhista e reclamação trabalhista não são iguais. Reclamação trabalhista são ações trabalhistas: verbas rescisórias, pessoa que entra com uma ação pedindo FGTS, reparação salarial, décimo terceiro, adicional de insalubridade, férias – as verbas trabalhistas clássicas.

Quando a apólice tem cobertura para prática trabalhista indevida – e praticamente todas tem – o corretor e o segurado têm a impressão de que “cobre trabalhista”, mas a maioria das seguradoras não cobrem condenação trabalhista. Se uma condenação por verbas rescisórias cair contra o administrador – e isso pode acontecer – não estará coberto em muitas seguradoras. Três ou quatro seguradoras cobrem de fato e nós temos 21 seguradores que tem o produto de D&O.

É necessário ter também a cobertura para custos de defesa na esfera trabalhista, porque algumas vezes a empresa é condenada mas não tem recursos e o juiz bloqueia os bens dos administradores. Então para ele poder contratar um advogado e se defender disso, precisa ter a cobertura para custos de defesa na esfera trabalhista. Somente 13 seguradoras cobrem custo de defesa.

O caso da Magazine Luiza recai contra o administrador e se eles tiverem D&O vão poder se defender da prática trabalhista indevida e se forem eventualmente condenados também poderiam ter o ressarcimento da apólice. Lembre-se que reclamação trabalhista é diferente de prática trabalhista indevida. Então antes de falar para o segurado que “cobre trabalhista no seguro D&O”, consulte na condição geral se realmente cobre.

Para saber mais sobre seguro D&O clique aqui.

7 erros no RC Profissional advogados

Em 15 anos de experiência já vi muitos erros tanto na abordagem quanto na contratação das apólices de RC Profissional para advogados. Alguns desses erros prejudicam a venda, pois o advogado não se convence do risco e não contrata a apólice. Outros podem comprometer a cobertura no momento do sinistro.

Descubra abaixo os 7 erros mais comuns:

1- Sócio: contratar uma apólice sem cobertura para reclamações contra o sócio do escritório. Em muitas seguradoras ele não está coberto e no sinistro isso gera muitas frustrações

2- Perda de uma chance: Não verificar se há exclusão para perda de uma chance. Esse é o principal risco dos advogados e algumas seguradoras não amparam

3- Limite errado: Contratar o limite de garantia fundamentado apenas no faturamento do escritório

4- Franquia errada: Muitas seguradoras aplicam a franquia de acordo com o faturamento, o que prejudica alguns segurados. Você precisa entender o perfil do segurado para negociar uma franquia adequada ao risco dele

5- Ignorar o risco: Os advogados não são todos iguais. Alguns podem trabalhar com atividades que algumas seguradoras excluem e você sem saber, pode contratar justamente nessa seguradora

6- Abordagem genérica: Não apresentar exemplos de sinistros que podem acontecer com advogados para que ele perceba que precisa da apólice

7- Não mostrar como o prêmio é baixo: Se você não demonstrar o tamanho da exposição e o risco ao patrimônio pessoal dele versus o investimento baixo da apólice, ele não vai contratar

Para entender como solucionar cada um desses erros clique aqui!